31 de mai de 2010

??? (Jurandir Bozo)




Sinto-me num conto russo
Cercado de memórias e melancolia
Discrições tétricas
Dos sentimentos mais humanos
Que ainda pouco havia esquecido
Nas missivas que escrevia a mim
Sinto-me outro
Perdendo a ternura
Envilecendo com o tempo
Sem encontrar os princípios de antes
Guardando apenas o que me falastes ao ouvido
E eu tartamudeando confissões
Pedaços de mim
Embebido das tuas palavras
Quais reminiscências restarão de nos?
Perdem-se os sentidos
A lua, a areia, o mar
Nossa força heterogenia
Carência premente e profusa
Olhos afetuosos e irascíveis
Quem és tu que já não sei?
Quem és tu que mesmo desconhecida
Tem toda a confiança que me resta...
Quem és tu que me rouba 
Os pensamentos mais temerários?
Quem és tu Valéria?

Nenhum comentário: