17 de jun de 2010

Amém (JurandirBozo)


Bate harmoniosamente
Numa latência intima
Polida ao gosto do nosso suor
Corações aflitos
Cavalgam compassados
No sumo estrato de nosso prazer
Dança dos animais que somos
Mulher e homem
Homem e mulher
Num entra e sai irrequieto
Nos percebemos e nus encaixamos
Que todos os anjos fechem os olhos
E gritem em êxtase
Amém... Amém!!! Amém.

2 de jun de 2010

Dia Escuro (Jurandir Bozo)




Calem todos meus pensamentos
Preciso agora de silencio
Chega
Não tolero mais o cheiro
Do que me trouxe aqui
Nojento
Inútil
O que mais sei de mim
Além do que me parece obvio
Minha mal fadada vida
Minha vontade de morrer
Minha covardia
À merda o que achei que seria eu
Meus anseios de quase ninguém
À merda as prioridades do meu ego
Saliências da vaidade infundada
À merda todas as idéias que não me deixam dormir
Preciso de pouco
Um copo d’água
Comprimidos que atenuem a dor  
E induzam ao sono
Um espelho para que enxergue minha cara safada
E um quarto escuro onde possa fugir de mim
Para fechar os olhos e fingir que não mais existo.




Um poema para um dia infeliz.
Dedicado a mais um filha da puta que tentou pegar minha bolsa... (-como se eu fosse ou cogitasse entregar. rs...)