30 de nov de 2015

Cansaço (Jurandir Bozo)




A bem das convenções sociais
Declaro-me convenientemente feliz
E assim vou repetindo
Sem conseguir crer nessa mentira
Acredito ainda no que meus olhos dizem
 Gritando convenientemente a corações surdos
E sem serem ouvidos
Meus olhos choram secos
Feito o chão que me inspira
Assim tenho apenas vontade de dormir
Dormir ate não precisar mais acordar




O Lado de Lá (Jurandir Bozo)





Tento não escrever sobre paixão
Fugir do obvio ou do que mais me encanta
O sagrado e profano feminino
A beleza, a complexidade
O sorriso, a instabilidade
E nessa tentativa calo minha poesia
Ate que meus olhos tornem a encontra-la
Em outra janela que irradie luz
Entre as linhas da vida e o divã
O papel e a nossa criatividade
Artistas natos
Formas e palavras
Universos paralelos e distantes
Incompatíveis do lado de cá da realidade
Fascinante do lado de lá da fantasia
E quando hoje acordei 
Fim
Pão ovos e café
Não há motivação do lado de cá desse amanhecer
Hoje minha noite voltará apenas a ser noite
Sem o sol do seu sorriso
Sem a chatice do seu mau humor inteligente
Ou seus complexos improcedentes
O lado de lá ficou...
Longe...
Perdido...
Preso...