31 de dez de 2010

A Transição das Luzes (JurandirBozo)


(Foto puramente ilustrativa, roubada do Orkut de uma aluna.)


Acedam as luzes
Livrem-me do escuro
Quero as cores do natal
Algo muito além que sentimentos fraternos
Que o pudor que nos prende a rotina
E a sina da infelicidade que nos une
Quero é a cidade nua e insinuante
Receptiva e furtiva aos famintos
As conquistas e as frustrações
Eu te quero assim imprevisível feito o tempo
Misteriosa feito o mar
Insensata feito a noite
Intensa feito o sol
Na transição das luzes
Sem nomes ou precedência
Quero tatos e contatos
O todo e os restos
Alguém, algo ou alguma coisa
Não quero definições ou justificativas
Pedidos ou suplicas, não desejo desculpas
E sim, fugir na contra mão das respostas
Quero mais e mais perguntas
Palavras jogadas e olhares roubados
Risos, afagos e descanso
Vinho, papo, sexo e cigarros
Minutos, segundos e centésimos
Quero da vida a insanidade
Um ano que venha forte
Cheio de excessos
E pulse em meu peito paixões e poemas
Na beleza de novos encontros
Da descoberta de novos sabores
A lembrança saudosa de velhos prazeres




3 comentários:

Anônimo disse...

Voce arrasa a cada poema, e estiga a minha imaginaçao.

Que nosso ano seja jogado de prosperidade.

Voce é especial a qualquer conexão!


Um beijo!

Karla Lima

Jurandir Bozo (Fábio Sirino) disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Jurandir Bozo (Fábio Sirino) disse...

Quais desejos me ocorreriam nesse momento, se não, o de te dar um xero e um abraço forte e dizer-te do quanto sou grato por tamanha delicadeza e amizade.
Fiquei muito emocionado não apenas por tuas palavras, mas pela sempre presença.
Se um dia minha poesia encontrar corações semelhantes ao teu, saiba que nesse momento eu estarei plenamente feliz.