16 de dez de 2010

Provocante Desejo (Anna Cecília)

 
 
A indecência, incessante olhar a fim,
Percorrente beleza pura, ironia sem moldura.
Fluorescente poesia em meio ao serafim,
Banhada de fúria, sucumbida em ternura.

Corrompido olhar distante, sem fim,
Tão forte sabor preso, uma tortura.
Elevante gozo estremece em mim,
Provoca-me cio tão precisa doçura.

Lastimável consequência inata,
Pressentida nos encantos em ter,
Causadora insana do primor.

Salivante, sem culpa, insensata,
Esquecida dos poderes do ser,
Doce ventre, borboletas sem amor.
(01/08/08)

Um comentário:

Capitu disse...

Quanta honra em ser postada aqui!
obrigada pelo carinho, meu bem!

Um beijo