13 de set de 2011

O Filme (Jurandir Bozo)




É tarde e me pego cochilando...
Na TV um filme reprisado
Que não me despertava interesse.
A cama não caberia meu tédio
E sentado fico a olhar o nada
E entre pequenos cochilos
Voltava minha atenção às fantasias
Que atenuam minha infelicidade.
O que poderia ser pior?
Uma noite longa e mal dormida.
Nada poderia ser pior...
Ai penso em meus visinhos
Como se passasse suas vidas a limpo
Buscando desgraças maiores que as minhas
E eu as encontro em abundancia
Só então percebo que a ignorância
É a chave da felicidade
E felizes dos que não argúem sobre a vida
Felizes dos que se quer questionam a morte
Dos que vivem sem a necessidade de respostas
Dos que se contentam com sub-amores
E não viveram em risco e luxuria
Desejos, vaidade e ganância
Dos que nunca inventaram paixões
Promiscuas e prolixas
Com gosto de suor, cumplicidade e desconfiança
Dos nunca escreveram uma poesia
De rimas tolas e infantis que fosse
Que não degustaram do sabor amargo
Das dores de amor
Dos que nunca se sentiram sozinhos
Dos que nunca choraram sozinhos
Dos que riram sozinhos
Dos que não tem espaço para o outro
Dos que não aceitam o novo
Dos que sabem demais
É talvez esses sejam ignorantes e felizes
Mas eu prefiro minha tristeza circunstanciada
Meus questionamentos existenciais
Minhas tantas perguntas
Meus amores plenos
Instáveis e luxuriosos
Repleto de personalismo e pecado
Das minhas fantasias e mentiras
Suadas de cumplicidade e incredulidade
Das minhas poesias e escritos
Dos meus dissabores de amor
Da minha carência excessiva
Que me faz chorar e ri sozinho
Da minha disponibilidade ao mais próximo
A minha adequação ao atual
Da minha ignorância humilde
Assim dessa forma eu cultuo minha infelicidade
E faço um brinde aos infelizes como eu
Que fazem da vida seu próprio filme
Sendo roteirista e autor principal
Estrelando as cenas de beijos
E morrendo no final.

2 comentários:

Kal Cavalcante disse...

Um brinde aos infelizes! Porque estes vivem, outros sobrevivem.

Jurandir Bozo disse...

Degusto o sabor desse vinho seco e repleto de sabores diversos que entendemos por vida... E um brinde a todos nos.