2 de jan de 2011

Regresso ao Umbigo (JurandirBozo)



Cansado de todos os meus
Regresso ao umbigo
Olhando as conjecturas
Do furo que se forma
Num passeio por ruas conhecidas
Busco na intimidade, certezas
Como isso fosse me trazer segurança...

A noite ganha força
E a identidade se perde
O caminho já percorrido
Tornasse confuso e solitário
Jogando-me para um mundo que já não é meu
Talvez a poesia seja meu único e verdadeiro espaço

Fechos as portas e janelas
Estou em casa
Seleciono as musicas
Os escritos e os objetos
Seleciono as pessoas
Os sentimentos e as recordações

Nas janelas dos meus olhos
Minha conectividade segura
Lendo comentários que me fazem chorar
Mas esse é um choro diferente
De tantos outros
Que fui forçado a engolir na rua
O que me leva a crê
Que a rua não é um bom lugar para chorar

Digo aos que me lêem
Não se preocupem com meu choro
Ele foi daqueles que nos deixam leves
Provocado por palavras brancas
De uma moça de riso largo e alma de cristal
Cuja beleza encanta o sol que a em mim
Despertando em meus sórdidos pensamentos
Fantasias que deixam paz
Mas mesmo assim ainda me sinto só
Afastado dos meus iguais
Convencendo-me a cada dia
Que a poesia é a companheira dos solitários

4 comentários:

Anônimo disse...

Mesmo com palavras que nao sei o significado e com frases que nao deixam algo muito claro pra mim, eu consigo entender o que se passa dentro de ti em cada poesia que voce faz. Sorriso largo e alma de cristal sempre aqui pra quando voce precisar.

Um abraço forte!


Karla Lima

Jurandir disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
JurandirBozo disse...

O que seria do homem sem o sentimento de fraternidade ou de pertencimento? oq seri de nos?

chico disse...

Simplesmente excelente! Adorei. Parabénssssss!