5 de abr de 2010

Gabriela (JurandirBozo)


Gabriela como se não bastasse a beleza
Da sonoridade do teu nome
Uma boca que mesmo em silencio
Instiga-me a imaginação auditiva
Por tudo o teu sagrado desconhecido
Em cantos de terras além dos meus sertões
Over urbano em olhares de matas virgens
O chão, o asfalto e minha vontade de mais
Conhecimentos, palavras, contatos
O fato é
Façamos silencio
Pois quero agora recriar
A voz de Gabriela



Por tudo que não conheço que oferto confiando cegamente em meus instintos mais poéticos...



A te encantadora Gabriela.




Nenhum comentário: