15 de mai de 2012

Vazio (Jurandir Bozo)




Não passam de repetições
Sentimentos que conheço
Ânsia que a fumaça não leva
Dentro de mim mil vozes em coro
Que gritam, choram e reclamam
Que alimentam conselhos antigos
Aqueles que ainda não assimilei
Hoje mesmo ciente dos defeitos
Já me falta força para concertar-me
Então eu deito e olhando fixamente para o céu
Vejo parado o mundo girar
A festa das estrelas em pleno universo
Como se todas elas rissem de mim
E eu com a face levemente molhada
Escorro entre as lembranças e as fantasias
Necessidades que consomem minha poesia
O discurso improvisado aos que faltaram
Olhares não compartilhados
Nem antes e nem depois de mim
A história esta sendo contada agora
Resume-se a imensidão do meu vazio



Nenhum comentário: