8 de mai de 2012

O Oceano dos Teus Olhos (Jurandir Bozo)





Há um oceano em teu olhar
Mistérios e dor
Um humor agridoce
E assim rodando para o desconhecido
Para outras praias voam meus pensamentos
Os sonhos que rejeitas acordada
Tomam minhas noites e te trazem pra mim
Os encantos que nem o sofrimento
Em sua mais plena representação de horror
Consegue apagar do teu sorriso
E assim enredado em tuas histórias
Fico a ler adivinhações e curiosidades
Revisitando orações do meu discurso passado
Sendo apontado ou julgado
Como outros tantos pagãos
Mais agora a sentença me preocupa
Saber o que pensar
Saber o que pensa das coisas
Saber mais de ti
Mais do que minha fértil imaginação
Que desenha no escuro tuas curvas
Pode impor ao pecado a inocência
O que já não existe em mim
A esperança dos tempos de criança
E assim leve 
Ir a porta do céu
Gritar teu nome
Ser ouvido pelas estrelas cadentes
 Só para elas atenderem meu desejo
E trazer-te para perto de mim
Sem critérios predefinidos
Sem pensarmos em certo ou errado
Apenas termos a certeza
Que tudo era real ali
E que nos veremos de novo
Não nos sonhos que negas acordada
Mas em praias bem menos distantes
Pois o rio que escorre do oceano dos teus olhos
Acaba agora por desaguar em mim



2 comentários:

Gi Moreira disse...

Seus versos trazem o arrebatamento, nos transportam por cenários maravilhosos...

Adorei seu poema!
Abraços!!

Jurandir Bozo disse...

Grato... Pela sempre presença...